Segunda Unidade: O que é? Onde vivem? Do que se alimentam?

Equipe paralela de filmagem representa economia de tempo e dinheiro nas produções, além de desempenhar inúmeras funções dentro do mesmo filme.

 

Quem já ficou no cinema assistindo aos créditos de um filme, seja por curiosidade, porque conhece alguém que trabalhou no filme ou para esperar as famigeradas cenas pós-créditos, já reparou em alguns departamentos e cargos com nomes inusitados. A maioria das pessoas nem sabe o que esses profissionais fazem e sua real importância para a obra. Uma delas é a “Segunda Unidade” - ou “Second Unit” em inglês - que normalmente é composta de um diretor, diretor de fotografia e assistentes. Mas, o que exatamente essa segunda unidade faz?

Equipe de filmagem preparando o set para a próxima cena.


Ela tem várias funções que variam de acordo com o filme. Abaixo, vamos citar algumas delas, mas, em resumo, é uma unidade de gravação que não precisa dos atores principais para filmar. São elas:

1. Captação das chamadas “Establishing Shot” que são as imagens que ditam onde está ocorrendo a ação. No início de um filme, quando vemos o topo dos prédios de Nova Iorque, as movimentadas rodovias de Los Angeles ou a imensidão da floresta amazônica, essas cenas têm algo em comum: servem para anunciar ao espectador onde a história do filme irá se passar. Podendo ser tanto takes aéreos quanto no chão, os “Establishing Shots” igualmente são utilizados nas fachadas de prédios ou casas, que normalmente são colocados pela edição em momentos de transição do filme. Quando vamos de um lugar para outro, por exemplo, ao sairmos de uma cena na delegacia para o esconderijo dos bandidos, vemos uma imagem da fachada da casa e seus arredores, estabelecendo assim onde a nova sequência do filme irá acontecer.

De um helicóptero o operador controla via joystick a câmera montada na frente da aeronave.


2. Outra função é filmar cenas de ação que não requerem os atores principais, mas sim seus dublês. Takes de acidentes de carros, explosões ou uma luta coreografada que normalmente não contam com os protagonistas - e que representam alto risco e demandam bastante tempo por conta da complexidade - podem ser feitas pela segunda unidade, que nestes casos recebe o nome de “Stunt Unit”. Além disso, nenhuma produtora iria colocar em risco a vida do Brad Pitt ou da Scarlett Johansson, pois isso seria o fim do filme e da carreira dos produtores. Mesmo em alguns casos, como nos filmes de Tom Cruise e Jackie Chan, que são atores notórios por não utilizarem dublês, eles têm de assinar documentos e mais documentos de seguradoras para isentar o resto da produção quanto a qualquer acidente em set.

Bastidor de “Missão Impossível: Protocolo Fantasma” (2011) em que Tom Cruise está pendurado

na lateral do Burj Khalifa, o prédio mais alto do mundo, em Dubai.


3. Quando a obra conta com personagens gerados em computador, muitos dos movimentos destes personagens são filmados em estúdios com roupas de captura específica, iluminação e câmeras especiais. Esta também é uma das funções desta unidade secundária. Exemplificando, no caso de “Os Vingadores Guerra Infinita” (2018), quando Thanos estava em cena, era o diretor e a equipe principal de filmagem que se encontravam no set. Porém, para a captura de movimento de seus minions, foi utilizada a segunda unidade.

Atores com trajes de mocap (motion capture) em um estúdio dedicado. Os pontos brancos em suas roupas são identificados pelo computador, que posteriormente irá substituir os movimentos dos atores

por seres gerados em animação.


4. Por fim, esta unidade é responsável pelas imagens genéricas de complemento, as chamadas “Fillers”. São tomadas que são usadas para compor uma cena maior ou para ajudar a dar contexto à ação principal, como takes de relógios rodando seus ponteiros, crianças brincando no parque a distância ou uma bandeira tremulando ao vento. Tudo isso ajuda a compor o clima e a história que está sendo contada. Por exemplo, em "Jurassic World” (2015), quando os dinossauros atacam o parque e as pessoas saem correndo em desespero, em sua grande maioria as cenas contam exclusivamente com figurantes. Logo, foram captadas pela segunda unidade. Inclusive uma destas cenas virou o meme do “Margarita Guy”, como visto abaixo:

Imagem que se tornou o meme Margarita guy em "Jurassic World” (2015).


Agora você pode estar se perguntando, mas por que contratar uma equipe extra para fazer tudo isso, sendo que a produção já tem um diretor, fotógrafo e tudo mais? Simples, o dinheiro!

Os cachês da equipe principal geralmente são muito mais altos do que os de uma segunda unidade, por se tratarem de pessoas mais renomadas e de currículos mais extensos. Então, ao invés de pagar mais um mês de cachê para o Roger Deakens, diretor de fotografia que já tem múltiplos Óscares em seu histórico, você contrata um diretor mais novo e mais barato por seis meses para fazer o trabalho braçal pelo mesmo valor.

E como toda regra tem suas exceções, volta e meia um diretor de renome é chamado para atuar como segunda unidade. Geralmente são projetos muito grandes, onde as cenas de ação são fundamentais para o filme, então é importante que a qualidade e execução junto aos figurantes e dublês sejam tão primorosa quanto as cenas realizadas pelos atores principais e a primeira equipe. Como foi o caso de “Jogos Vorazes” (2014) que contou com Steven Soderbergh, que já dirigiu “Erin Brockovich” (2000) e “11 homens e 1 segredo” (2001), como um dos diretores de segunda unidade.

Agora que você já sabe o que uma segunda unidade faz, no próximo filme que assistir tente identificar essas cenas, e apreciá-las de forma diferente, pois elas são responsáveis por criar o clima do filme e definir localizações e objetos que podem vir a alterar a trama da história.

Imagem aérea captada para o institucional da Risotolândia, que ajuda a estabelecer a Ilha do Mel

como o local onde irá se passar a história durante parte do filme.


Aqui na Fauno Filmes já trabalhamos como segunda unidade para alguns projetos, nacionais e internacionais, em que sairia mais em conta para a produtora contratar uma equipe local ao invés de se deslocar para Curitiba e região. Em nossos filmes, utilizamos técnicas e aparatos próprios desta unidade para compor e dar mais profundidade em nossos projetos. É o caso do institucional realizado para a empresa “Risotolândia” que realizamos em 2019, no qual utilizamos as “Establishing Shot” aéreas e de fachadas para indicar ao espectador onde cada trecho do filme estava se passando. Confira no link abaixo o institucional completo:


https://vimeo.com/312159091